Resposta PMP XV

[polldaddy poll=1640770]

Resposta Correta: Melhoria contínua. Do japonês 改 善, mudança para melhor, é a função de melhoria contínua dos processos, inerente ao ciclo PDCA (Planejar, Fazer, Controlar, Agir) e ao gerenciamento da qualidade nos projetos. Por si só o Kaizen não identifica falhas, mas visa o trabalho pelo qual estas podem ser eliminadas e os seus resultados melhorados. O Padrão 0 Defeito é parte da metodologia de 14 Passos para melhoria do Processo de Qualidade de Philip Crosby e parte do conjunto de idéias que compõem a metodologia Six Sigma. O Modelo 5 S (Seiton – Senso de organização, Seiri – Senso de utilização, Seisõ – Senso de limpeza, Seiketsu – Senso de padronização, e Shitsuke – Senso de autodisciplina) é uma forma de se organizar e gerenciar o espaço de trabalho de forma que os recursos sejam melhor empregados para o benefício do trabalhador e da empresa.

O que todos esses conceitos tem em comum é a idéia de ‘eliminar a gordura’ do processo, mas cada uma tem um foco diferente. Assim, nada impede que todos sejam utilizados em conjunto, uma vez que seus focos estão em áreas diferentes (identificação dos problemas, melhoria dos processos, processos de produção, ambiente de trabalho dos funcionários).

Lembre-se que as respostas para a certificação devem ser escolhidas sempre pensando na melhor resposta possível. Esta resposta está em conformidade com o material apresentado no PMBoK 4ª Edição.

Treinamento para certificação PMP, no seu SmartPhone!
Prepare-se para a Certificação PMP no seu próprio ritmo!

Peço desculpas a todos, mas AINDA estou tendo problemas com o OI Velox. Vou fazer o possível para manter o blog atualizado!

10 Dicas para definir o Escopo do Projeto

Definir o Escopo do Projeto é uma etapa de vital importância. Se não for feita da forma correta, o projeto estará fadado ao fracasso, uma vez que é o escopo que determina o que irá (e não irá) ser feito/produzido/entregue ao termino do projeto. Um escopo mal-estruturado levará inevitavelmente a falhas de cronograma e de orçamento, uma vez que os problemas decorrentes da má especificação se farão presentes e a equipe terá que achar caminhos alternativos para a execução do projeto. Por fim, um escopo mal definido resulta em um cliente insatisfeito, uma vez que o mesmo pediu X e recebeu Z, levando a uma insatisfação do executivo, do time do projeto e do gerente. O efeito cascata disso pode ser terrível, como uma caça-às-bruxas para determinar de quem foi a culpa, quando na verdade a culpa foi do escopo mal-definido.

Para evitar isso, algumas medidas muito simples podem ser adotadas, aqui vai uma lista de 10 dicas para serem usadas na hora de determinar o escopo de um projeto:

  • Assegure-se de que todos sabem e entendem qual o objetivo do projeto e que haja consenso sobre o resultado final do mesmo;
  • Ouça com atenção o que seu cliente descreve;
  • Tente entender não o que ele lhe pede para fazer, mas sim o que ele precisa para resolver o problema que lhe apresenta;
  • Descubra o que ele não quer. Muitas vezes um projeto não vai para frente por que o escopo foca em coisas que não deveriam estar lá;
  • Estabeleça o que não vai ser feito no projeto enquanto o cliente ainda estiver disponível. Se ele pedir X e Y, mas você perceber que Z e W devem ser providenciados, mas somente W é da sua responsabilidade, deixe claro que Z está fora do escopo do projeto;
  • Estabeleça o que será necessário para que o projeto seja atingido, defina os pressupostos, de forma que todos saibam de antemão quais as necessidades básicas do projeto antes que elas atrapalhem seu andamento;
  • Seja realista quanto ao que pode ou não ser realizado, quanto mais “pé-no-chão” é o escopo, maior a chance de sucesso do projeto;
  • Evite o GoldPlating. Se não faz parte do escopo do projeto, não adianta tentar agradar o cliente com aplicações/funções ‘firula’. Elas podem acabar acarretando em um atraso no cronograma;
  • Não tenho medo nem pena de fazer perguntas. Pode parecer óbvio para você, mas se não estiver absolutamente claro, pergunte;
  • Tenha o time de projeto (ou os gerentes dos mesmos) na mesa de reunião quando o escopo for definido, assim qualquer problema técnico ou dúvida operacional poderá ser sanada na hora, em vez de descoberta posteriormente, causando problemas para o projeto.

Isso não cobre todas as coisas que se pode fazer para assegurar um escopo coerente, realista e dentro das expectativas do cliente, mas deve minimizar a quantidade de problemas que costumam ocorrer durante a elaboração do mesmo. Usar templates também pode ser uma boa idéia, já que elas facilitam a visualização do conteúdo e servem como guia para o que deve ser observado no processo de definição do escopo.

É isso, boa sorte com seus projetos!

GoldPlating: A adição de funções e/ou entregas num projeto que não foram requisitadas. O GoldPlating costuma desviar as atividades de seu foco e comumente leva ao temido ScopeCreep.

Leia também:
Porque Projetos Falham
Porque Projetos Falham: 20 Dicas para Gerentes de Projetos
10 Dicas para MS Office Project 2007
10 Dicas de Liderança
10 Dicas para E-Mails
10 Dicas para Gerenciamento de Riscos

Resposta PMP XIV

[polldaddy poll=1583481]

Resposta Correta: Diagrama Espinha de Peixe. O Diagrama de Pareto, ou Gráfico de Pareto, é um tipo específico de histograma, ordenado por frequência e ocorrência. Mostra quantos defeitos foram gerados por tipo ou categoria de causa identificada. Sendo assim, o Gráfico de Pareto lida com o resultado ou efeito do problema uma vez que ele tenha ocorrido e sido identificado. A Análise de Tendências examina o desempenho do projeto através do tempo para determinar se o mesmo está melhorando ou piorando. Logo, pode ser utilizada para perceber o desenvolvimento geral do projeto e identificar se este está indo da forma esperada ou apresentando problemas, mas não poderia apontar as causas do desvio no desempenho.

Uma vez que o Gerente de Projetos identifique que existe um problema de convivência ou uma divêrgencia de opiniões entre os membros do time ou alguma outra parte interessada no projeto, as Técnicas de Resolução de Conflitos podem e devem ser utilizadas para sanar o problema, mas por si, não identificam os problemas de um projeto. São uma ferramenta para solução, não para analise. Sobra portanto, o Diagrama Espinha de Peixe, também chamado de Diagrama de Cause e Efeito ou Diagrama de Ishikawa que ilustram como diversos fatores podem estar ligados a problemas ou efeitos potenciais, são usados para identificar causas de riscos. Assim, perguntando “Como?” e “Por quê?”, o diagrama pode ajudar o Gerente de Projetos a apontar as principais razões para que os problemas ocorrem, como ilustrado na figura abaixo:

Diagrama Ishikawa, Espinha de Pixe

Lembre-se que as respostas para a certificação devem ser escolhidas sempre pensando na melhor resposta possível. Esta resposta está em conformidade com o material apresentado no PMBoK 4ª Edição.

Treinamento para certificação PMP, no seu SmartPhone!
Prepare-se para a Certificação PMP no seu próprio ritmo!

Peço desculpas a todos, mas estou tendo problemas sérios com o OI Velox. Estou sem Internet em casa já há alguns dias e previsão de concerto só para 31/06. Viva as operadoras e respeito ao consumidor…

The Project Management PrepCast

The Project Management PrepCast

Então, você decidiu que vai investir na certificação PMP, mas não tem como arrumar tempo para estudar e frequentar as aulas do preparatório? Seus problemas acabaram, e não é um produto Tabajara! Que tal estudar pra prova do PMI enquanto está no ônibus? Ou dirigindo pra pegar os filhos na escola? Quem sabe revisar aquele assunto de Aquisições que não ficou muito claro enquanto você está na academia? Ou preparando o almoço?

O Project Management PrepCast, criado e apresentado por Cornelius Fichtner, é a solução. Ele lhe proporciona toda a flexibilidade de que você necessita para estudar para a certificação, bem como as ferramentas para garantir que seu aproveitamento do material e retenção do conhecimento sejam as maiores possíveis.

Em sua segunda edição, totalmente atualizado com as alterações do PMBoK 4ª Edição, o Project Management PrepCast é um videocast. Cornelius Fichtner vai apresentar para você todas as áreas de conhecimento e as melhores práticas em cada uma de forma interativa e, diferente do PMBoK, interessante e divertida! O PrepCast lhe proporciona as 35 horas de contato que o PMI lista como requisito para a prova, eliminando totalmente a necessidade de um curso presencial. Vamos dar uma olhada no que vem no pacote:

  • VideoCast, são 96 vídeo aulas, somando aproximadamente 40 horas de contato;
  • 3 horas de entrevista visando facilitar o entendimento e contextualizar os assuntos apresentados (formato mp3);
  • Aproximadamente 50 minutos de Perguntas & Respostas, onde Cornelius comenta as respostas para que não sobrem duvidas;
  • 1 simulado em PDF;
  • Aproximadamente 6 horas de Conceitos Aplicados, trazendo os conceitos do PMBoK para a vida real – chega de ter medo das questões situacionais do exame! (formato mp3);
  • Você recebe tudo isso por apenas US$ 99.97. Mas não é só isso que você recebe, ainda de bonus, o pacote do Project Management PrepCast ainda traz: seu certificado, 60 Perguntas Verdadeiramente Difíceis (obviamente comentadas, o minicurso via e-mail ’10 Passos para se tornar PMP’, Um guia de estudos, e acesso ao fórum de debate.

    Curioso? Você pode ir até o site agora mesmo e assistir a uma introdução PrepCast agora mesmo. E mais, você pode também assistir gratuitamente ao episódio “Achando a melhor resposta”, só para conferir o formato da aula e a qualidade do produto.

    E se você se interessou, mas ainda não se convenceu sobre gastar US$ 99.97 (algo em torno de R$ 207,93, que é mais barato do que a maioria dos cursos preparatórios que eu conheço), Cornelius Fichtner e a OSP International, oferecem uma garantia de 100% de retorno do seu dinheiro (isso mesmo, cada centavo) se por qualquer motivo você não se sentir satisfeito com o produto, ou achar que fez um péssimo negócio. Mas com 5.800 alunos/clientes até 4 de maio de 2009, acho que a garantia é só para nos dar uma segurança extra.

    The Project Management PrepCast
    Autor: Cornelius Fichtner
    Endereço: http://www.project-management-prepcast.com/
    Tamanho: 2.5gb
    Custo Benefício: 5
    Preço: US$ 99.97

    Prós: Cornelius Fichtner é um renomado Gerente de Projetos e possui anos de experiência em treinamento para a Certificação PMP. Para as pessoas que dominam a língua inglesa e não tem disponibilidade de tempo ou interesse para um curso preparatório presencial, o PrepCast é uma solução barata e eficaz. Suporte iTunes, facilitando o download e gerenciamento dos arquivos.

    Contras: Em Inglês, se você não compreende bem, pode ser um caso para a política de reembolso mencionada no artigo. Com 2.5gb de tamanho total, um mp4 usual não teria condições de levar todo o prepcast de uma só vez, alguns smartphones sim, contando com o cartão de memória certo.

    Aviso Legal: Programa de Afiliados. Comprando este produto pelo link acima, você ajuda o Papo GP a manter seus serviços.

    Resposta PMP XIII

    [polldaddy poll=1544348] Resposta Correta: identificação dos riscos do projeto. Existem três estratégias possíveis para se lidar com riscos (riscos negativos, que podem causar problemas ao projeto): Prevenir, Transferir e Mitigar. O PMBoK 3ª Edição estabelece que mitigar um risco é “a redução da probabilidade e/ou impacto de um evento de risco adverso até um limite aceitável.” Assim sendo, desenvolver sistemas que melhorem os processos e evitem problemas, defeitos, etc., seria mitigar riscos. Desenvolver um plano de alternativas, onde cursos alternativos de ação são expostos no caso de um problema acontecer, evitando assim desperdício de tempo, também é mitigar o risco. Um plano de contingência, e a respectiva Reserva de Contingência, evitariam problemas com orçamento (necessariamente a falta de recursos financeiros para a execução das tarefas). Um seguro seria necessariamente uma Transferência de Risco, mas vamos pensar um pouco. Adquirindo um seguro você está se antecipando à possibilidade do risco ocorrecer, e mais, reduzido o impacto do mesmo sobre o projeto uma vez que a seguradora irá arcar com o custo ou com a solução para o problema (neste caso, o seguro também poderia ser uma clausula num contrato).

    Lembre-se que as respostas para a certificação devem ser escolhidas sempre pensando na melhor resposta possível.

    Treinamento para certificação PMP, no seu SmartPhone!
    Prepare-se para a Certificação PMP no seu próprio ritmo!

    Resposta PMP XII

    Qual é um dos objetivos chave durante a negociação?

    Obter um preço justo e razoável
    Negociar o preço abaixo da estimativa do vendedor
    Assegurar que todos os riscos do projetos são fortemente delineados
    Assegurar que um plano de comunicações efetivo seja estabelecido

    Resposta Correta: Obter um preço justo e razoável. Mais uma de ética disfarçada. Negociar um preço abaixo da estimativa do vendedor não está correta porque: “Respeiro: Padrões mandatórios – 3.3.1- Nós negociamos em boa fé” e “3.3.3- Não agimos de maneira abusiva em relação a outros.” Assegurar que riscos sejam delineados não é o objetivo de uma negociação, isso acontece em outros processos. Assegurar um plano de comunicações também não ocorre agora, o plano de comunicações seria usado antes da reunião para determinar quem compareceria e depois da mesma, para encaminhar as informações para quem fosse necessário. Sobra Obter um preço justo e razoável, que pelos padrões de respeito supracitados. Em Honestidade também pode se encontra embasamento para esta resposta: “5.3.2- Não nos envolvemos com comportamento desonesto com intenção de obter ganhos pessoais as expensas de outros.”

    Lembre-se que as respostas para a certificação devem ser escolhidas sempre pensando na melhor resposta possível.

    Treinamento para certificação PMP, no seu SmartPhone!
    Prepare-se para a Certificação PMP no seu próprio ritmo!

    Confirmada prova PMP em papel em Salvador-Bahia

    O PMI-Bahia, através da sua Diretoria de Desenvolvimento Profissional e Certificações, informa à comunidade local de Gerenciamento de Projetos que recebeu autorização formal do PMI Internacional para realizar a prova PMP em papel em Salvador-Bahia no dia 06/06/2009, um sábado, na Faculdade de Tecnologia e Ciência (FTC – Paralela).

    Pré-Requistos para se candidatar à prova de certificação PMP*

    Graduado em Curso Superior

    – Diploma do Curso de Graduação;

    – Certificado de um curso na área de gerenciamento de projetos de no mínimo 35 horas. Esse curso precisa ter sido concluído antes da data de envio da aplicação para o PMI Internacional;

    – 4.500 horas de experiência em projetos nas fases de iniciação, planejamento, execução, controle e/ou encerramento. Tais horas precisam estar dentro dos últimos 3 anos consecutivos. Por exemplo, se trabalhou de janeiro de 2007 até novembro de 2007 em 2 projetos em paralelo, com dedicação exclusiva para ambos, deve levar em consideração 10 meses de trabalho no total, e não 10 meses cada, pois trabalhou em paralelo em ambos os projetos ao mesmo tempo.

    NÃO Graduado em Curso Superior

    – Diploma do Curso de 2º grau;

    – Certificado de um curso na área de gerenciamento de projetos de no mínimo 35 horas. Esse curso precisa ter sido concluído antes da data de envio da aplicação para o PMI Internacional;

    – 7.500 horas de experiência em projetos nas fases de iniciação, planejamento, execução, controle e/ou encerramento. Tais horas precisam estar dentro dos últimos 5 anos consecutivos. Por exemplo, se trabalhou de janeiro de 2007 até novembro de 2007 em 2 projetos em paralelo, com dedicação exclusiva para ambos, deve levar em consideração 10 meses de trabalho no total, e não 10 meses cada, pois trabalhou em paralelo em ambos os projetos ao mesmo tempo.

    Candidatos que estejam interessados em participar dessa prova PMP em papel em Salvador-Bahia no dia 06/06/2009 precisam ter concluído o processo de inscrição e obtenção de elegibilidade junto ao PMI Internacional no máximo até 29 de abril de 2009, portanto, não perca tempo, inicie imediatamente o processo de inscrição e submissão de candidatura através do site do PMI Internacional (http://www.pmi.org), já que todo o processo é liderado diretamente pelo PMI Internacional, sem interferência do PM Capítulo Bahia.

    Para mais informações, contactar o Capítulo Bahia em: provapmpssa@pmiba.org.br

    Resposta PMP X

    Para os dados apresentados a seguir, calcule o desvio padrão e a Estimativa de Três Pontos: Pessimista=14, Otimista=6, Realista=8.

    0,33 e 7,66
    1 e 9,66
    2,33 e 4,66
    1,33 e 8,66.

    Resposta Correta: 1,33 e 8,66. Para calcular a Estimativa de Três Pontos, utilize a formula (P+4M+O)/6 [m=moderada, realista]. E para o Desvio Padrão, calcule (P-O)/6. Vamos admitir que essa foi fácil, calculando qualquer uma das proposições corretamente, por eliminação se chegava na resposta certa.

    A Estimativa de Três Pontos é usada para gerar um prazo para a execução as atividades de um projeto, um valor que pode ser utilizado de forma segura, uma vez que leva em consideração tanto as visões pessimistas e otimistas, quanto um parâmetro realista de quanto tempo a atividade necessita para ser concluída. A Variância e o Desvio Padrão servem como complemento para o planejamento uma vez que permitem que o gerente de projetos se prepare para eventuais atrasos (e quem sabe, adiantamentos) nas entregas do projeto, podendo assim se precaver e estipular medidas caso algo não ocorra dentro do esperado.

    Lembre-se que as respostas para a certificação devem ser escolhidas sempre pensando na melhor resposta possível.

    Treinamento para certificação PMP, no seu SmartPhone!
    Prepare-se para a Certificação PMP no seu próprio ritmo!

    PMBoK 4ª Edição – O que mudou

    A partir do dia 30 de junho de 2009 o exame para Certificação PMP passará a utilizar a quarta edição do PMBoK®, lançada em 31 de dezembro de 2008. Mas o que mudou no conteúdo do livro? Em um artigo para a PROJECT SMART, Cyndi Snyder Stackpole, MBA, PMP, descreve quais as grandes mudanças por capítulo no nosso livro de cabeceira. O artigo original em Inglês pode ser encontrado aqui.Para quem já é membro do PMI, a quarta edição do PMBoK pode ser baixada do site, mas apenas a versão em Inglês está completa. Outras versões estarão disponíveis a partir de 31/03/2009. Boa leitura!

    Guia PMBOK®: Mudanças da Quarta Edição – Capítulo por Capítulo
    Por Cyndi Snyder Stackpole, MBA, PMP

    Em meu último artigo eu ofereci uma visão geral das mudanças no Guia PMBOK®: Quarta Edição. Neste Artigo eu quero escrever sobre as mudanças referentes a cada capítulo.

    Como mencionado no artigo anterior, a estrutura dos capítulos 1 e 2 foi ajustada por nosso arquiteto para se alinhar com The Standard for Programme Management: Second Edition e The Standard for Portfolio Management: Second Edition. Assim sendo, muito da estrutura dos dois primeiros capítulos foi alterada.

    No Capítulo 1 nos oferecemos uma visão geral do que é gerenciamento de projetos e como ele se encaixa em programas, portfólios, organizações e operações. Uma das maiores mudanças é que o Guia PMBOK não menciona mais a Restrição Tripla composta de escopo, prazo e custo. Ao invés disso, ele discute sobre como gerentes de projeto devem balancear restrições de escopo, qualidade, prazo, custo, recursos e risco.

    O Capítulo 2 não passou por grandes alterações, mas agora traz uma cobertura entendida do ciclo de vida do e das fases do projeto. Também traz informações mais detalhadas sobre os tipos de stakeholders.

    O Capítulo 3 é o primeiro lugar em que as descrições de processos são introduzidas. O texto descrevendo os processos foi editado para que, na sua maioria, apenas a descrição do processo, composta por apenas uma frase, seja usada para introduzi-lo. Esta mesma descrição de processo está no capítulo da área de conhecimento, no início do capítulo e como a primeira frase do processo em si.

    O Capítulo 4 passou de sete para seis processos. O processo Desenvolver a Declaração Preliminar do Escopo foi eliminado. Nos sentimos que isso poderia ser tratado dentro do processo Definir Escopo através do conceito de elaboração progressiva. A outra mudança é a descrição do plano de gerenciamento do projeto, como dito no meu artigo anterior.

    No Capítulo 5, movemos a discussão sobre o plano de gerenciamento de escopo para a introdução, seguindo a mesma lógica utilizada para o plano de gerenciamento de custos e de cronogramas nos capítulos 6 e 7 respectivamente. Há um novo processo chamado Coletar Requerimentos. As principais saídas deste processo são o plano de gerenciamento de requerimentos (parte do plano de gerenciamento do projeto), uma matriz de rastreamento de requerimentos e a documentação dos requerimentos. Além disso, mais ênfase é dada nas baselines de escopo compreendias na declaração de escopo do projeto, a EAP e o dicionário da EAP.

    O Capítulo 6 eliminou a discussão sobre o método do diagrama de setas como uma técnica de sequenciamento de atividades. Nós também alinhamos a informação sobre estimativas de três pontas com estimativas de custo, de forma que o conteúdo tornou-se similar.

    O Capítulo 7 inclui a estimativa de três pontas, como mencionado acima, e adicionou uma técnica de índice de desempenho para o termino (TCPI) ao processo Controle de Custos. As entradas e saídas para Controle de escopo, Controle de Cronograma e Controle de Custo estão mais alinhadas agora do que na Terceira edição.

    O Capítulo 8 traz gráficos e tabelas adicionais para demonstrar alguns conceitos. Há uma discussão mais elaborada sobre o custo da qualidade e limites inferiores e superiores são introduzidos. O termo baseline de qualidade foi eliminado.

    O Capitulo 9 adicionou uma cobertura significativa sobre as habilidades interpessoais nos processos Desenvolvimento do Time do Projeto e Gerenciamento do Time do Projeto. Maior cobertura dos estágios de desenvolvimento de equipe (team building), gerenciamento de conflitos, liderança, influencia e tomada de decisões foram introduzidos. O processo Gerenciamento do Time do Projeto foi movido de Monitoramento e Controle para o grupo de processos de Execução.

    O Capítulo 10 adicionou um novo processo ao grupo de processos de iniciação, Identificar Stakeholders. As principais entradas incluem o Registro de Stakeholders e a Estratégia de Gerenciamento de Stakeholders. O processo da Terceira Edição, Gerenciamento dos Stakeholders foi mudado para Gerenciar Expectativas dos Stakeholders e movido de Monitoramento e Controle para o grupo de processos de Execução.

    O Capítulo 11 quase não sofreu alterações.

    O Capítulo 12 consolidou seis processos em quatro. Os quatro processos são: Planejar Contratos, Conduzir Aquisições, Administrar Contratos e Encerrar Contratos. O conceito de acordos cooperativos é introduzido.

    A Quarta Edição agora tem um apêndice sobre habilidades interpessoais. Existiam informações que achamos importantes para gerenciar um projeto, mas não era consistentes com o intento de um padrão. Então incluímos uma introdução sobre as seguintes habilidades interpessoais:

    • Liderança
    • Team building
    • Motivação
    • Comunicação
    • Influencia
    • Tomada de Decisões
    • Consciência Política e de Negócios
    • Negociação

    É mais ou menos isso.

    Finalizando eu gostaria de dizer que toda a experiência de liderar essa atualização foi extraordinária. A melhor parte foi a oportunidade de trabalhar com grandes pessoas de todas as partes do mundo. Os colaboradores praticamente atualizaram todo o conteúdo em torno de quatro meses. No resto do tempo o time, os vários times estavam planejando, revisando, editando, expondo, comentando, ajustando e todos esses passos necessários à publicação de um padrão. Sou muito grata pela oportunidade e espero que esta Quarta Edição contribua para a profissão.

    Cynthia Stackpole
    Cynthia Stackpole

    Cynthia Stackpole é uma consultora profissional em Gerenciamento de Projetos, instrutora e autora. Já escreveu três livros sobre gerenciamento de projetos e foi a editora técnica de muitos outros. Ela oferece consultoria e treinamento tanto para empresas quanto órgãos do governo. Seu consultoria foca na maturidade do gerenciamento de projetos, criação de PMOs e o uso do gerenciamento de projetos como competência central para organizações. Ela também é uma voluntária ativa do Project Management Institute e liderou a revisão do conteúdo do Guia PMBOK.

    Esta é uma tradução livre, alguns dos termos aqui utilizados podem não corresponder aos escolhidos pela equipe que traduziu o PMBoK para o Português.

    Leia também:

    PMBok 4ª Edição – Download Gratúito
    PMBoK 4ª Edição – Versão Final

    Resposta PMP IX

    Para os dados apresentados a seguir, calcule a variância: Pessimista=14, Otimista=6, Realista=8.

    1,78
    1,33
    Informações Insuficientes
    8,66

    Resposta Correta: 1,78. Quando vemos essas três estimativas, o PERT vem na cabeça na hora, mas a questão pediu a variância! Para calcular a variância, utilize a fórmula ( (P – O) / 6)2.

    ((14 – 6) / 6)2
    (8 / 6)2
    1,33…2
    1,78

    Variância: Na teoria da probabilidade e na estatística, a variância de uma variável aleatória é uma medida da sua dispersão estatística, indicando quão longe em geral os seus valores se encontram do valor esperado.

    Lembre-se que as respostas para a certificação devem ser escolhidas sempre pensando na melhor resposta possível.

    Treinamento para certificação PMP, no seu SmartPhone!
    Prepare-se para a Certificação PMP no seu próprio ritmo!